Resenha #5 - Pretty Girl-13 (Liz Coley)

| |

Pretty Girl-13 conta a história de Angela Chapman, ou Angie, como fazia todos os verões ela foi para o acampamento de bandeirantes. Entretanto, quando as férias acabaram, ela não voltou.

Durante três anos Angie ficou desaparecida, as buscas duraram três meses, mas pararam pois as esperanças para reencontrá-la acabaram. Um dia, ela aparece na rua de sua casa apenas com uma sacola na mão e sem nenhuma lembrança do acontecido. Para ela, ainda tem 13 anos e passou apenas tempo perdida na floresta.

Angela não reconhece a jovem que olha para ela no espelho, magra, abatida, com músculos mais desenvolvidos e com vergões vermelhos no braço e nos tornozelos. Não tem ideia porque está usando roupas tão diferentes das quais costumava usar e nem de onde apareceu o anel que ela usa na mão esquerda.

“Deixou a sacola cair, surpresa, e examinou sua mão esquerda. Havia algo totalmente errado ali. Esta não era sua mão. Aqueles não eram seus dedos. Estes dedos eram mais longos, mais finos que os dela. E um estranho anel de prata ornava seu dedo médio. A pela era seca e áspera. Cicatrizes escuras circundavam seus pulsos como braceletes. Ela virou a mão direita, estudando as rachaduras e calos não familiares em sua palma. Experimentou fechá-la. Aquilo pareceu... errado.” (pág. 11)

Para tentar responder tantas perguntas e recuperar parte da sua vida Angie começa a fazer terapia. Lá ela conhece a dra. Lynn Grant, uma psicóloga muito bonita, mas também muito competente, que faz de tudo para ter sucesso no trabalho, mas que também se preocupa com as vontades e decisões de Angie. É no consultoria da psicóloga que Angie descobre que desenvolveu Transtorno de Identidade Dissociativa (TDI) como uma defesa natural que o seu cérebro criou para sobreviver ao trauma que passou.

O Transtorno de Identidade Dissociativa (TDI), anteriormente chamado de Transtorno de Múltipla Personalidade, é um mecanismo de defesa. Quem sofre desse transtorno pode se separar dessa maneira quando estão sob condições externas de abuso emocional, físico ou sexual. O medo e a dor pertencem a uma personalidade alternada, chamado alters, poupando a pessoa primária, mas deixando lacuna de horas, dias ou mais em sua memória. Os alters podem ter diferentes idades, sexos diferentes e sexualidades diferentes, isso depende da necessidade que o cérebro tem no momento.

O livro efetivamente vai mostrar a maneira como a Angie vai lidar com essa nova condição, ter personalidades diferentes querendo se manifestar em alguns aspectos da sua vida. Ela irá conhecer os alters e é a partir deles que vai descobrir cada coisa que aconteceu com ela durante o tempo perdido.

A história foi muito bem escrita e bem desenvolvida. Angie e cada um de seus alters tem uma personalidade bem desenvolvida, cada um tem seus próprios problemas e seus próprios traumas e a maneira que cada um lida com isso, e a maneira que a própria Angie lida com isso, é bem interessante.

O livro é dividido em três partes, as duas primeiras são contadas em terceira pessoa, já a terceira e última parte é contada em primeira pessoa. Essa escrita acompanha o processo de desenvolvimento da personagem. Entretanto, apesar das duas primeiras partes serem em terceira pessoa, Angie domina a narrativa.

A edição da Benvirá está muito bonita, a capa é muito bonita e tem tudo a ver com a história e a editora manteve o nome original. Além disso, o trabalho de diagramação também foi muito cuidadoso. Durante a narrativa nos deparamos com diferentes fontes, indicando os diferentes alters se manifestando, isso ilustra ainda mais, que cada alter é uma entidade separada, com sua própria forma de escrever, falar, pensar e tudo mais.

Achei a leitura bem fluida e ágil, é um livro que trata de um assunto bem sério, mas e um modo mais atenuado. O livro é uma ficção, mas misturada elementos da vida real. A autora fez um estudo bem detalhado sobre o TDI e deixa uma nota no final do livro falando um pouco mais sobre isso. Existem diferentes livros autobiográficos sobre o assunto, e um dos que eu tenho bastante vontade de ler é “Hoje Eu Sou Alice”  de Alice Jamieson. Portanto, Pretty Girl-13 é um excelente livro YA que cumpre muito bem seu papel de informar o seu público alvo sobre o TDI, como se desenvolve e como conviver com ele.

Esse foi um livro lido para o Desafio Literário Skoob 2014 pelo tema de Abril: Livro escrito por mulher.








24 comentários:

  1. Olá Raffaela!

    parabéns pela resenha! fiquei realmente com vontade de ler o livro, e olha que quando eu terminei de ler "No Escuro" eu pensei "nunca mais leio um livro desse gênero" hahahahaha!

    vi em um outro post seu, onde você se diz insensível... eu ao contrário já sou super impressionável hahaha

    gostei bastante do seu blog e vou segui-lo ok? :)

    beeijo!

    http://draamin.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, obrigada pelo seu comentário.

      Li sua resenha de No Escuro, e nossa, fiquei super interessada. Achei o tema bem parecido com o de Pretty girl-13 e gosto muito de livros desse tipo. Mas acho que ele é um pouco mais leve do que No Escuro, assim, não tem nada muito explicito... ele conta mais sobre as consequências do que ela passou... e na verdade, a protagonista tinha 13 anos na época que aconteceu. Bom, mesmo assim, não deixa de ser chocante.

      Espero que leia sim, e se gostar venha me dizer o que achou. Estou seguindo seu blog também!!

      Beijinhoos e volte sempre =)

      Excluir
  2. Oi Rafaella,
    Nossa fiquei interessadíssima neste livro. Sua resenha ficou ótima.Parabéns.
    bjs,
    Luana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!! É um livro que me marcou bastante!!
      Espero que leia e se gostar venha me dizer o que achou!!

      Beijinhoos =*

      Excluir
  3. Oi Rafa, tudo bom?!

    Adorei a sua resenha, mal posso esperar para o livro chegar em casa. Sua resenha me deixou ainda mais curiosa para lê-lo. E de tanto você elogiá-lo eu PRECISEI me inscrever no seu LV. HAHAHAHAHHA

    Beijos, Rob
    http://estantedarob.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Rafa! Adorei a resenha O.O Quero esse livro agora! hahahaha Sério! Nunca li um livro que se tratasse sobre isso e acho meeeggaaa interessante! *-*
    bjs

    http://www.horadaleitur.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi, não conhecia o livro, mas fiquei com vontade de ler espero ter a oportunidade.

    Beijos Fê :*
    http://fernandabizerra.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Não conhecia esse livro, entretanto adorei essa sinopse e resenha. Eu sou um pouco apaixonada pela ideia de transtorno de identidade dissociativa graças a um monte de teorias que lia quando mais nova.
    Já coloquei o livro na lista!

    ~ Cantaremverso.wordpress.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Rafa, achei a história bem interessante. Fiquei curiosa para saber como funciona o TDI e achei bem interessante a preocupação dos editores em destacar as diferentes personalidades por fontes diferentes.
    Beijos
    Blog: Porão da Liesel
    Página no Facebook

    ResponderExcluir
  8. Oii,

    Nossa não conhecia o livro :s, mas gostei da sua resenha e do tema abordado. Vou adicionar na minha estante pra ler em breve, gostei bastante dele


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Rafaella.
    Um bom trabalho feito na diagramação faz toda diferença né, muitas vezes ajuda o leitor a se situar na trama e também mostra todo carinho e cuidado que a editora tem com seu leitor.
    Eu não conhecia esse livro, e também nunca li nada sobre TDI, na verdade não sei nada sobre o assunto, acredito que seria uma leitura muito válida.

    Beijos.
    Leituras da Paty


    ResponderExcluir
  10. Olá

    Apesar de ser um tema bem curioso e denso, acredito que eu não me daria bem lendo um livro como esse. Mesmo a leitura sendo fluída e o livro ser ágil não me interessei muito por ele. Não gostei muito da capa, mas parece ter bastante a ver com a história como mesma mencionou.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Rafa, tudo bem?

    Esse livro trata de um tema bem interessante né? Fico me imaginando se não soubesse quem sou, quantos anos tenho... deve ser algo bem desesperador. Adorei a resenha.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  12. Nunca tinha ouvido falar desse livro, e achei interessante o que ele aborda, esse TDI. Deve ser uma loucura essa menina conhecendo todos os seus alters, deve ter acontecido algo realmente muito grave com ela. Achei legal usarem fontes diferentes quando cada personalidade se manifesta, e fiquei curiosa para ler.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  13. Oi Rafa,

    Ja tinha lido uma resenha desse livro, mas faz muito tempo e nem me lembrava muito do que se tratava, na época não me interessei muito, agora lendo a sua resenha, fiquei curiosa em saber como ela vai viver sabendo dos alters, que a qualquer momento ele pode voltar e ela vai esquecer tudo, fiquei com muita vontade de descobrir mais do TDI.

    Mayla
    http://meulivromeutudo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi, Rafa
    Não conhecia o livro e achei legal como a autora a desenvolveu. O fato de Angie ter ficado desaparecido por tanto tempo fez com que ela perdesse sua essência, né? pelo menos foi o que deu para perceber!! Eu fiquei instigado e fascinado. Leria se tivesse a oportunidade!
    Gostei do fato da autora tratar da TDI. Resenha super linda, Rafa!

    Abraço
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com || http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Que enredo diferente! Quando comecei a ler sua resenha, imaginei que a história iria tomar um rumo totalmente diferente, e adorei saber desse TDI, que eu nem conhecia. Acho que essa nova informação aliada à minha curiosidade pra saber o que aconteceu nesses 3 anos me fizeram interessar demais pelo livro. Brigada pela dica.
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  16. Olá Rafa,
    bom ao ler sua resenha eu pensei algo do tipo mistério, thriller, daqueles que nos fazem ficar com o coração na mão. Mas fui lendo e percebi que se trata da doença em si, e não ao que aconteceu a ela. Ou estou enganada?
    Bom, mesmo assim não conheço esta doença, ou melhor TDI, e acho que a leitura sera bem prazerosa. Mas na verdade eu espero que tenha o que te falei. hahahahaha
    Adorei sua resenha e me despertou bastante interesse na leitura.

    Beijokas Ana Zuky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana,

      É bem isso mesmo, a narrativa se foca mais no transtorno que ela desenvolveu como uma forma de proteção para tudo o que aconteceu com ela. Ela mesma não se lembra de nada, então tudo o que ela vai descobrindo é através dos seus alters. A autora abordou bastante as consequências do que ela passou, e não o que aconteceu em si.

      Excluir
  17. Olá,
    Beleza de resenha. Eu ridiculamente fiquei muito curioso em saber como a autora abordou o tema, já que eu nunca tinha ouvido falar dessa doença. Mesmo assim, o livro parece ser bem escrito e de leitura rápida.
    Enfim, lerei sim se possível esse livro *-*

    Att,
    decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Oi Rafaaa s2
    Então, eu não conhecia o livro, mas achei mega interessante o tema e quero saber mais.
    Parabéns pela ótima resenha amiga, fiquei super curiosa para conhecer sobre o assunto.

    Beijokas
    Lara - Magia Literária
    http://www.magialiteraria.com/

    ResponderExcluir
  19. Olá Raffa!
    Eu não conhecia o livro e a história me parece ser muito boa.
    Fiquei muito curiosa para saber como ela vai se lembrar do que passou.
    Vou anotar na minha agenda para ler.
    Beijinhos!
    http://www.eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Eu amei esse livro. Quando resolvi lê-lo, o fiz com base na resenha do skoob em inglês. Nela não consta a informação de que a personagem terá TID e eu achei isso algo essencial na minha apreciação da história.

    O motivo foi que comecei o livro achando que ela tinha transtorno de estresse por traumático. Quando descobri o TDI foi uma surpresa tão grande que foi praticamente revigorante.

    Amei a forma como o tema foi apresentado e, acima de tudo, a preocupação da autora, ao final do livro, ao colocar que o TDI não é resolvido tão rapidamente quanto foi com a personagem e que ela só usou tal velocidade para dar agilidade à história.

    http://www.conchegodasletras.blogspot.com.br/2015/04/resenha-pretty-girl-13.html

    ResponderExcluir
  21. A capa me deixou curiosa e caraca a história parece ser muito interessante. Esse é um livro do qual eu preciso e já está na minha lista, achei a premissa fantástica e a sua resenha me deixou mais animado ainda. Eu ainda nem tenho o livro e já estou querendo descobrir os mistérios dele.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...