Resenha #2 - Orgulho e Preconceito (Jane Austen)

| |

Orgulho e Preconceito, romance escrito pela autora britânica Jane Austen, e publicado pela primeira vez em 1813, foi o livro que eu escolhi para atender ao tema do mês de fevereiro do Desafio Literário Skoob 2014 - um clássico mundial.
Essa obra de Austen mostra a maneira com que a protagonista, Elizabeth Bennet, lida com os problemas relacionados à educação, cultura, moral e casamento na sociedade aristocrática do ínicio do século XIX na Inglaterra.
A história começa com um novo morador se mudando para uma propriedade perto da casa da família Bennet. O sr. Bingley é um jovem bonito e rico, tudo o que a sra. Bennet, preocupada em proporcionar um casamento bom para suas filhas, pode esperar de um genro. A partir desse momento, a sra Bennet faz todo o possível para a família, principalmente Jane, ser apresentada a esse cavalheiro e é a partir dele que Elizabeth passa a conhecer também o sr. Darcy.
O Sr. Darcy é um homem bonito, alto e inteligente, mas reservado, e suas maneiras são tidas como orgulho para quem não o conhece direito. E inicialmente Lizzy sente uma antipatia tremenda por ele, e ele também não olha com bons olhos para ela e sua família, que podemos dizer, ser bastante “sem noção” por parte de algumas pessoas. Entretanto, diversos acasos fazem com que eles se encontrem e a convivência e descobertas, os sentimentos passam a mudar, gradualmente entre eles.
O que me marcou nesse livro foi o romance. Ele é bonito e simples, acontece gradualmente e isso torna-o extremamente admirável. As cenas dos dois eram as mais aguardadas por mim e ficava sorrindo igual a uma boba lendo-as.
O livro nos traz grandes reflexões sobre as características que dão nome ao livro, orgulho e preconceito. Ambos os protagonistas, Elizabeth e Darcy são orgulhosos e preconceituosos a sua maneira e por suas determinadas razões. Inclusive há um trecho muito interessante acerca da diferença entre orgulho e vaidade.

“O orgulho - observou Mary, que se gabava da solidez de suas reflexões - é um defeito muito comum. Por tudo o que já li, tenho certeza que é muitíssimo comum mesmo; a natureza humana tem uma inclinação especial para esse defeito, e muito poucos dentre nós não nutrem um sentimento de complâcencia para consigo mesmos, sob pretexto de uma ou outra qualidade, real ou imaginária. Vaidade e orgulho são coisas diferentes, embora sejam palavras usadas muitas vezes como sinônimos. A pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho está mais ligado à opinião que temos de nós mesmo, e a vaidade ao que os outros pensam de nós.” (pág. 247)

É super interessante acompanhar o modo como o sr. Darcy e Elizabeth contornam o orgulho deles e o preconceito para com o outro e conseguem transformar isso em amor.
Eu gostei bastante do livro, assim como adoro o filme, e como primeiro romance de Jane Austen que eu leio, não poderia ficar muito feliz, pois há muito tempo eu queria ler. Entretanto eu confesso que esperava um pouco mais, a leitura não me prendeu totalmente. Houve muitas partes boas no livro, e eu quando lia, via perfeitamente a cena na minha mente. Entretanto, são muitas partes apenas de descrição que me cansaram bastante, somando-se a isso a diagramação da minha edição que era bem ruim, tornou minha leitura um tanto lenta.
Gostei bastante da personalidade de Elizabeth, seu jeito independente de ser e sendo ela uma mulher que fala o que pensa, sem ligar para o que os outros vão pensar, e um tanto diferente para a época me agradou bastante. O sr. Darcy eu nem vou falar, pois eu sou apaixonada por ele, e minha opinião a respeito dele não é nada parcial.
Concluindo, apesar de minha dificuldade com a leitura, foi um livro bastante agradável e fico bastante feliz por ter terminado ele a tempo, e sem dúvidas espero ler os demais romances da autora.










4 comentários:

  1. Eu também escolhi par lê-lo. Realmente dependendo da tradução, a leitura fica um pouco cansativa. Eu comecei lendo a da Abril Cultural e acabei optando pelo da Penguin Companhia. A história é muito boa e bonita, mas como vc mesma disse, com muito detalhe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro o filme e por isso eu escolhi lê-lo, até porque eu já tinha muita vontade de ler, só me faltava um empurrãozinho. A edição me desanimou um pouco, nem tanto pela tradução, que eu achei boa, mas pela diagramação mesmo, letras minúsculas... um livro que tem 400 e tantas páginas se transformou em apenas 231. Mas é uma história muito bonita mesmo, com protagonistas muito marcantes, e realmente o livro explica bastante coisa a mais que no filme (o que é normal), apesar de eu gostar muito do filme também.

      Obrigada pelo comentário e espero que continue me acompanhando.
      Beijos =*

      Excluir
  2. Olá Rafaella,

    sou doida para ler livros da Jane, mas ainda fico na dúvida na hora de comprar. A leitura parece ser exaustiva. Não sei se foi o tipo de livro que peguei.

    Gostei muito do seu cantinho também. Vou marcar ponto aqui para saber as novidades de livros. Sobre o chamado do cuco, todos dizem que é ótimo. Tente ler depois, afinal vai virar uma saga :)

    Beijos,
    www.thamaralaila.com.brc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Thamara!!

      Essa foi a minha primeira experiência com Jane Austen, e eu tb não sou muito acostumada a ler clássicos. Acho que clássicos já tendem a ser um pouco cansativos, pelo menos no início. E minha edição não era das melhores, isso não ajudou muito. Considerei Orgulho e Preconceito um bom livro para começar, pois eu já tinha visto o filme e gostei. Recomendo que você compre uma edição comum, não aquelas pockets e nem como a minha que é de três livros em um.

      Obrigada pela visita ;) vou também sempre conferir seu blog.

      Quanto ao Chamado do Cuco, acho que tenho um pouco de problemas com romance policial, mas vou tentar ele sim mais para frente.

      Beijinhos!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...